quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Capas

in Record 
A 5 de Novembro de 2000, jogo memorável no Caldeirão. O Marítimo de Nelo Vingada, Carlos Jorge, Bruno, Iliev, Joel Santos, Porfírio, .. , goleava o benfica com um hat-trick de Lagorio. 
No banco adversário estava o melhor treinador do mundo... José Mourinho. 


in dnoticias.pt 30-11-2011
Hoje o "DN" publica uma interessante entrevista com um jogador que deixou enormes saudades e pelo qual os adeptos verde-rubros, que tiveram a sorte de o ver jogar, sentem um enorme carinho.  
Alex Bunbury foi sem dúvida um jogador especial. Chegou como um perfeito desconhecido, olhado com desconfiança por vir de um país sem qualquer tradição em termos de futebol, mas logo conquistou os adeptos. Com golos (59) mas sobretudo com a sua simpatia, entrega e gratidão que hoje poucos demonstram no mundo do futebol. 
Segundo consta teve inúmeras propostas para sair, mas sentia-se bem na Madeira e no Marítimo e recusou, acabando por ficar seis anos connosco. 
Sobre Baba, Alex mostra-se "impressionado" com a marca desta época e "...feliz por saber que o meu clube está bem servido". 

Para quem não tiver oportunidade de ler a entrevista completa, aqui ficam algumas palavras do "Rei": 
"Sei que quando jogava gostavam de mim. Mas não tenho noção do carinho que possam ter guardado. O tempo não perdoa.. ,..., quando jogava sentia que os adeptos eram espectaculares e gostavam de mim, do meu esforço, porque dava tudo pela camisola do Marítimo."
"Encontrei-me como jogador e também como pessoa no Marítimo. Foram os melhores anos da minha carreira."
"Quero agradecer a todos os adeptos do Marítimo pelo apoia espectacular que me dispensaram enquanto jogador. A forma como me trataram e como respeitaram a minha privacidade foi soberba. Os madeirenses são pessoas com muita classe, é isso que digo sempre. Ficarei para sempre grato por tudo o que fizeram por mim e serei sempre adepto do Marítimo. Estão na minha alma e coração." 

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Ainda o jogo da Luz..

Alguém ouviu falar em castigos neste jogo (para além do Robson)? Claro que não, impunidade total.. 
"Vi tanta gente dentro do campo: era um senhor que se diz da segurança, era o Rui Costa, (...) fico sem perceber as regras do Benfica, (...) as legais não são de certeza." J. L. Lomelino.  
Imaginem o que seria o contrário. O que seria se no próximo jogo o Lomelino, o Pedro Martins e o Rafael Miranda invertessem os papéis? Será que não haveriam castigos? Será que o assunto seria esquecido como o foi? 
Há gente nesta terra que devia reflectir antes do jogo de sexta-feira, gente que não merece a oportunidade que os clubes madeirenses lhes dão de ter futebol de primeira nesta região, gente que não tem orgulho na sua história, nos seus antepassados e na difícil conquista do lugar que agora ocupamos na I Liga. 
Espero que pelo menos tenham respeito aos adeptos do Marítimo, e se forem ao jogo apoiar a equipa "estrangeira", que vão para a bancada visitante (mais uma boa reflexão - "visitantes" madeirenses) e não para as bancadas reservadas ao clube da casa. 

domingo, 27 de novembro de 2011

Onde param estes jogadores?

Depois da dispensa do Marítimo, o argentino que não chegou a aquecer as botas, mas que era um sério candidato a flop da década, assinou pelo Deportes Concepción, da 2ª. divisão chilena. 

O avançado Adilson, que esteve para ficar no plantel, acabou emprestado ao Estoril Praia, onde neste domingo, no jogo frente ao Trofense, deu a vitória aos canarinhos ao apontar o único golo da partida.   

O jogador dos livres perfeitos foi eleito Presidente de Câmara de um pequeno município de São Paulo. 

Música com dedicatória


Baba Baba Baba Baba .. 

sábado, 26 de novembro de 2011

Não foi um bom resultado..




O resultado não foi famoso, mas tendo em conta as "incidências" da partida, aceita-se. 
Na primeira parte esteve melhor o Marítimo, a controlar o jogo e a chegar à vantagem ao minuto 29, em mais um golo (9º) do inevitável Baba. 
A expulsão veio trazer-nos dificuldades desnecessárias, tendo que enfrentar 45 min em desvantagem numérica e dando novo ânimo a uma equipa que parecia perfeitamente controlada. 
Não caímos na tentação de recuar demasiado as linhas e as substituições demonstraram grande ambição da parte de Pedro Martins. 
O Nacional deu a volta ao resultado no penúltimo minuto de jogo, de uma forma injusta porque, mesmo tendo um maior domínio não criara grande perigo junto da baliza de Peçanha. 
Na última jogada do minuto de compensação, mão de Luís Alberto e pénalti convertido por Heldon, a trazer maior justiça a um resultado que, não fosse a expulsão, estou em crer que teria sido bem mais positivo. 
Nota negativa A visão desoladora das bancadas. Um dérbi merece povo, merece estádios cheios. 
Infelizmente não é esta a visão de alguns dirigentes desportivos, que tudo fazem para afastar as pessoas. 

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Envie-nos as suas fotografias do dérbi --> irredutivelmaritimo@mail.com

Contagem decrescente ..

"Tenho a certeza de que estamos mais fortes nos aspectos anímicos que o Nacional, mas isso só não chega. Isso não basta para vencer, até porque o Nacional vai querer jogar muitas fichas neste derby, pois em caso de derrota ficará a 14 pontos, o que é considerável nesta fase do campeonato.
A história dos derbies da Madeira, mas também dos outros derbies do campeonato nacional, mostra que a equipa que está menos bem consegue surpreender, por vezes. Nem sempre é assim, mas por vezes isso acontece. Vai ser um jogo difícil e complicado perante uma equipa que tem ambições, tal como nós, de atingir uma prova europeia. Portanto, sabemos das dificuldades que vamos encontrar no jogo de sábado.
Se as pessoas tiverem possibilidades financeiras de se deslocar à Choupana, nós gostaríamos que isso acontecesse. Nós gostamos de jogar com público. Dá mais cor ao futebol, é mais atraente. Gostaríamos que a nossa massa associativa comparecesse, porque os adeptos têm sido importante para ultrapassarmos os momentos de grandes dificuldades." Pedro Martins


Lista de convocados: 
GR: Ricardo Ferreira e Peçanha;
DF: Briguel, João Guilherme, Roberge, Igor Rossi, Rúben Ferreira e Luís Olim;
MD: Roberto Sousa, Rafael Miranda, João Luiz, Olberdam, Benachour;
AV: Danilo Dias, Baba, Fidélis, Heldon, Sami e Gonçalo Abreu.

Golo de Checa num Marítimo 4 - Nacional 1, em 1956 no campo do Liceu.
in maritimosaudade

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Fuga para a vitória.

Uma das histórias mais comoventes e dramáticas da história do futebol, sobre uma equipa de heróis que usou o futebol para derrotar o nazismo, mesmo sabendo que a vitória significaria..


"Tudo começou a 19 de Setembro de 1941, quando Kiev foi ocupada pelos nazis. Nos meses seguintes, a cidade foi arrasada e os seus habitantes não podiam trabalhar nem viver nas suas casas, pelo que vagueavam pelas ruas, na mais absoluta indigência. Entre esses mendigos, doentes e desnutridos, estava Nikolai Trusevich, antigo guarda-redes do Dínamo Kiev.
Ajuda Josef Kordik, um padeiro alemão que os nazis não perseguiam, era adepto de futebol e conhecia o onze do Dínamo Kiev de trás para a frente e vice-versa. Um dia, Kordik carregava o pão pelas ruas quando reconheceu Trusevich. Na ânsia de ajudar o seu ídolo, Kordik deu tecto e comida ao guarda-redes, fintando os nazis, com o argumento de precisar de um ajudante para amassar o pão naquelas madrugadas intermináveis. Na convivência entre ambos, as conversas só giravam à volta do futebol, deste e daquele jogo, daquela ou daqueloutra defesa mais espectacular. Até que Kordik teve uma ideia: em vez de Trusevich perder o tempo a amassar pão, poderia ir à procura do resto da equipa do Dínamo Kiev. Assim foi.
Companheirismo Trusevich percorreu toda a cidade e, além de reunir os outros dez companheiros, também encontrou três do arqui-rival Lokomotiv. Juntos, foram viver escondidos para a casa do padeiro. Só Trusevich estava autorizado a dar a cara aos nazis na padaria. Todos os outros dormiam, comiam e trabalhavam para Kordik sem que ninguém desconfiasse de nada. Reunidos então pelo padeiro, os jogadores não demoraram a dar o passo seguinte e formaram uma equipa. Como o Dínamo era passado, nasceu o FC Start, que, através de contactos alemães, começou a desafiar equipas de soldados inimigos e selecções formadas pelo III Reich.
Bola a rolar A 7 de Junho de 1942, o primeiro jogo. Apesar de cansados pelo trabalho invisível na padaria, durante toda a noite, o FC Start goleou 7-2. No encontro seguinte, 6-2. Depois, 11-0 a uma equipa romena, para destoar dos alemães. A coisa ficou séria a 17 de Julho, quando despacharam uma selecção do Exército alemão por 6-2. O grupo já começava a ganhar demasiada fama e a incomodar os nazis, que contrataram uma equipa húngara com a missão de acabar com a invencibilidade dos empregados da padaria. Mas o FC Start goleou novamente (5-1). Na desforra, novo triunfo (3-2).
Agora a doer Em Agosto, no dia 6, os alemães chamaram os membros da Luftwaffe, uma grande equipa utilizada como instrumento de propaganda de Hitler. Mais agressivos que nunca, os alemães saíram vergados por uma clara derrota por 5-1. Foi aí que Berlim tomou conta da ocorrência e decidiu exterminar o FC Start, incluindo o padeiro alemão. Mas só fuzilariam os russos após a derrota destes, porque os altos dirigentes do III Reich acreditavam que o gratuito acto de assassinato não faria outra coisa além de perpetuar a derrota alemã. Por isso, Berlim organizou um outro jogo, a 9 de Agosto, no Estádio do Zenit.
Antes do jogo, um oficial da SS entrou no balneário e disse em russo: "Vou ser o árbitro. Respeitem as regras e levantem o braço." Já no campo, os jogadores do FC Start, camisa vermelha e calção branco, levantaram, de facto, o braço mas em vez de dizerem "Heil Hitler", gritaram "Fizculthural", uma expressão soviética que proclamava a cultura física. Os alemães, de camisa branca e calção preto, marcaram o primeiro golo mas sofreram dois até ao intervalo. Novamente nos balneários, um outro oficial da SS ameaça os russos: "Mesmo que ganhem, serão fuzilados." Os jogadores olharam uns para os outros e chegaram a desanimar, mas pensaram nas suas famílias destruídas pelos nazis e nos gritos dos adeptos das bancadas e voltaram ao campo... para vencer 5-3. No último minuto, o avançado Klimenko isolou-se, fintou o guarda-redes e, com a baliza aberta, deu meia volta e chutou a bola para o seu meio-campo, num gesto de desprezo, de superioridade total. O estádio veio abaixo.
Os alemães nada fizeram e deixaram os russos sair. Inclusivamente, o FC Start jogou três dias depois e goleou 8-0 o Rukh. Mas o final já estava traçado, e a Gestapo visitou a padaria para destruir pela segunda vez o Dínamo Kiev. O primeiro a morrer torturado foi o padeiro Kordik. Os demais (à excepção de Goncharenko e Sviridovsky, que não estavam na padaria naquele dia) foram enviados para campos de concentração e acabaram todos por morrer, incluindo o guarda-redes Trusevich, fuzilado vestido à FC Start.
Dínamo e Zenit Ainda hoje, os espectadores que viram o penúltimo jogo do FC Start, o tal ganho à equipa dos nazis, têm entradas gratuitas nos jogos do Dínamo Kiev. Nas escadarias do clube, vê-se um monumento que saúda e recorda aqueles heróis do FC Start, os indomáveis heróis de guerra do Exército Vermelho, aos quais ninguém pôde derrotar durante uma dezena de históricas partidas, entre 1941 e 1942.
Na Ucrânia, os jogadores do FC Start são hoje heróis da pátria e o seu exemplo de coragem é ensinado nas escolas, como o hino nacional, o alfabeto e as cores. No Estádio do Zenit, uma placa enorme diz "aos jogadores que morreram com a cabeça levantada ante o invasor nazi".
Esta é a história da "Partida da Morte". John Huston inspirou-se nela para fazer o "Fuga para a Vitória" e alterou o final, com empate (4-4) e invasão pacífica de campo para permitir a confusão que permite a escapada dos prisioneiros. Pena que, nesse caso, tenha só sido ficção..." in 'ionline'

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Não acredito em bruxas, "pero que las hay..."

Um azar nunca vem só! Depois da Taça de Portugal, calha-nos em azar o "grupo da morte" desta Taça da Liga, com deslocações à Luz e a Guimarães. Como é possível?!
Daqui em diante vamos ter que levar uma cruz de alecrim para os sorteios. 


Grupo B
1.ª jornada (2/3 Janeiro)
V. Guimarães-Benfica
Marítimo-Santa Clara

2.ª jornada (18 Janeiro)
Benfica-Santa Clara
V. Guimarães-Marítimo

3.ª jornada (4/5 Fevereiro)
Benfica-Marítimo
Santa Clara-V. Guimarães

* Nota final para uma competição montada para servir os interesses de três clubes. 
Cabeças-de-série com uma deslocação na 1ª. jornada e depois dois jogos em casa para resolver o apuramento. 

Ainda a mentalidade parola

Infelizmente não é só a comunicação social do continente que ajuda a construir a mentalidade parola dos adeptos de futebol madeirenses. 
Como é possível que um jornal "regional", que deveria destacar as equipas da R.A.M., ofereça uma 1ª. página a um clube de Lisboa? 
É verdade que estiveram arredados da L.C. anos a fio, é verdade que na época passada prometeram ganhar esta competição acabando depois noutra, mas uma 1ª. página de uma equipa que a nós não nos (devia) diz(er) respeito, só porque se qualificou para os oitavos-de-final? 
Faria sentido se isto fosse o "DN" de Lisboa, não sendo custa muito a entender esta opção. 

Há quem não mereça a oportunidade que os clubes desta região oferecem, de termos futebol de qualidade na Madeira. 

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Benjamins

Um grande golo de um dos infantis do Marítimo D, para acompanhar através do blogue marítimofut2001.

"Oitavos" da Taça

O único jogo entre equipas da I Liga calhou-nos a nós, sendo que o calendário não se apresenta tão fácil como para outros que poderão chegar à final sem encontrar qualquer equipa do escalão principal. 
Calhou-nos o caminho mais complicado para chegar ao Jamor, mas não deixamos de ambicionar lá voltar, apesar de, segundo a comunicação social, já termos sido eliminados (juntamente com o Belenenses):
"Sporting - Benfica em perspectiva nos 'quartos'." Record
"Sporting - Benfica na forja nos quartos-de-final." A BOLA
Ficamos a torcer para encontrar o Belenenses nos quartos-de-final e o Ribeira Brava no Jamor. 
Sporting/ Belenenses - C. S. Marítimo/ Benfica
Leixões/ Académica - Desportivo das Aves/ Ribeira Brava
Moreirense/ Torreense - Tirsense/ Nacional
Mirandela/ Oliveirense - Estoril-Praia/ Olhanense

A mentalidade portuguesa.

Vale a pena ler até o fim. É sobre o Santa Clara, mas poderia ser sobre qualquer outro clube português, e demonstra aquilo que nós também sentimos por cá. 
Quando o jogo com o Benfica se aproxima, este texto deveria servir de reflexão a muita gente que se diz madeirense.  

"No passado domingo, levantei-me em sobressalto e munido de um nervoso miudinho que não me permitiu beneficiar daquele calor dos lençóis e dos edredões que tanto nos conforta, principalmente ao fim-de-semana.
Claro que não haviam razões para tanto alarido, afinal aquele era um domingo igual a tantos outros, não fosse o facto de o Santa Clara jogar a segunda-mão da segunda fase da Taça da Liga, na Marinha Grande. 
Seria esta uma razão plausível para tanta agitação numa altura em que temos tanto para nos preocupar? Valerá a pena perder o sono por futebol? Ambas as questões ecoavam na minha cabeça, mas o que é que querem, o futebol ainda vai sendo, a par da família (o mais importante), das poucas coisas que me vai dando alegria. Acrescente-se a isto o facto de ter emprego, coisa que muitos portugueses já não podem dizer, e estão reunidas condições para que ainda possa sorrir.
Na Marinha Grande, o Santa Clara jogava muito mais do que uma simples partida de futebol. Os encarnados tinham a possibilidade de escrever mais uma página de ouro na sua já longa história ,.., Com o passar das horas, a ansiedade foi aumentando, alimentada pelo desejo de que o jogo começasse para que se pudesse confirmar a passagem para outro patamar, para aquele em que já marcarão presença os ditos “grandes” do futebol português, local em que aliás, defendo, o Santa Clara deveria sempre estar ,.., Até agora, pelo que me é dado a ver, o percurso para alcançar o topo tem sido bem feito. Com moderação, com contenção de despesas, apostando em jogadores jovens que pretendem alcançar um “lugar ao sol”. Só assim poderemos regressar à Primeira Liga, não cometendo as loucuras de um passado bem recente e com a certeza de que um dia que lá cheguemos estarão reunidas as condições para lá ficarmos por muitos anos. 
Voltando a domingo, devo dizer que foi uma hora e meia de jogo de nervos, sempre com os ouvidos no rádio, sofrendo por fora, de longe, algo que ainda custa mais, custa muito mais. No final, a ansiedade deu lugar à satisfação, ao regozijo e ao orgulho. O Santa Clara tinha conseguido, com algum sofrimento, mas também com muita justiça, um apuramento inédito. 
Todavia, no meio de tudo isto, comecei também a escutar algumas conversas menos próprias, muitas vindas de adeptos que, certamente, são tudo menos pessoas que gostam e defendem os encarnados. Ouvia: “agora sim vou ao Estádio de S. Miguel. Oxalá fiquem no grupo do Benfica, para que possa ver o ‘glorioso’, o Jesus, o Saviola, entre outros”, ou então “bom é que fosse o Porto. Ia ser uma romaria da Calheta para o estádio”, e até “óptimo era apanhar o Sporting.” Pensei: como é possível?! Esta gente não quer ver o Santa Clara, não quer puxar pelo clube açoriano, quer sim ver aqueles que idolatra, semana após semana, através da televisão. Pois bem, é isto mesmo. Há açorianos, e micaelenses em particular, que não merecem este Santa Clara, nem qualquer outro que conquiste páginas de ouro para a história da região. Assim se percebe como, a cada jornada da Liga Orangina, o Estádio de S. Miguel apresenta uma deplorável moldura humana. A estes, bem a estes, até defendo que se barre a entrada no recinto, ou então que se pratiquem preços de bilheteira que lhes obriguem a pagar “couro e cabelo” para irem torcer pelos outros. Desculpem-me, mas penso que seria o mais sensato. Quando um açoriano não defende o que é seu, independentemente do seu clubismo, não está a prestar um bom serviço à Região." 
Pedro Botelho - Director do Santa Clara

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Autógrafos

Autógrafos de alguns jogadores do plantel 2011/2012, gentilmente cedidos por um seguidor do blogue.

Marítimo q.b.

Com poucas alterações na equipa e enorme respeito pelo adversário, o Marítimo dominou a maior parte do jogo e criou as melhores situações de golo, vencendo com inteira justiça o Juv. de Évora, que ainda assim saiu da Taça de cabeça erguida pela boa réplica deixada em campo. 
A atravessar um grande momento de forma, Baba foi mais uma vez decisivo na vitória da equipa (11º golo da temporada, a 3 de igualar a marca de 2010/2011). 

É o "karma" morcões, é o "karma".


A goleada dos estudantes ao campeão nacional, veio engrandecer a vitória do Marítimo contra a Briosa na última jornada do campeonato. 

"Karma" - "Para toda a acção existe uma reacção de força equivalente em sentido contrário". 
Neste caso, para toda acção tomada pelo Homem, ele pode esperar uma reacção. 
Se praticou o mal então receberá de volta um mal em intensidade equivalente ao mal causado.

domingo, 20 de novembro de 2011

Márcio Abreu marca na Rússia.

Márcio Abreu marcou o golo da vitória do F. C. Krasnodar frente ao Nalchik, na 1ª. mão do "play-off" de despromoção do campeonato russo.

sábado, 19 de novembro de 2011

Taça de Portugal

in http://juventudesportclube.blogspot.com/
O Marítimo enfrenta amanhã para a Taça de Portugal o Juventude Sport Clube, clube com 92 anos de história da cidade de Évora. 
Há 13 anos que o Juventude não recebia uma equipa da I Liga. É por isso esperado um estádio Sanches de Miranda lotado com cerca de 4.000 espectadores. 
O J. S. C. possui um plantel jovem (média de idades de 23,77) com alguns jogadores formados nas grandes equipas portuguesas, casos de Carlos Santos (F. C. Porto), João Fonseca (S. L. Benfica), Tiago Ronaldo (V. Guimarães - camadas jovens e sénior/ St. Liège) e Lucas (V. Guimarães). 
No Alentejo este jogo é aguardado com grande expectativa. A grande motivação dos jogadores do Juventude por enfrentar um clube da I Liga e o apoio que concerteza será muito superior ao que normalmente acontece nos jogos da equipa para o campeonato, serão ingredientes que dificultarão a tarefa ao Marítimo na enorme festa da Taça. 
Cabe aos nossos jogadores mentalizar-se que, apesar de jogarem contra uma equipa de um escalão inferior, não terão a vida facilitada. Os jogadores do Juventude estarão super-motivados para tentar causar uma surpresa na Taça e galvanizados com o apoio do público eborense irão encurtar a natural diferença de qualidade entre as duas equipas. 
Como afirmou Rui Pedro (adjunto de Pedro Martins), teremos que enfrentar o jogo com seriedade, encarando-o como se fosse "com o campeão nacional." 


Lista de convocados: 
GR: Ricardo Ferreira e Peçanha;
DF: Briguel, João Guilherme, Roberge, Igor Rossi e Luís Olim;
MD: Roberto Sousa, Rafael Miranda, Olberdam, Benachour e Tchô;
AV: Danilo Dias, Baba, Fidélis, Heldon, Fábio Felício e Gonçalo Abreu.

Rafael Miranda em entrevista à RTP-M

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Liga obriga a baixar preços dos bilhetes.

"O alerta feito junto da Liga Portuguesa de Futebol Profissional fez com que este organismo obrigasse a uma mudança nos preços praticados, levando a que os ingressos menos caros se cinfrem nos 22 euros e não nos 40 publicados pelo nosso adversário.
Neste sentido, o Nacional-Marítimo terá os seguintes preços de bilhetes de ingresso no Estádio da Choupana: 22 euros (Bancada Lateral Sul), 40 euros (Bancada Lateral Norte), 45  euros (Bancada Central Nascente) e 65 (Bancada Central Poente)." in csmaritimo.pt

Força Portugal !

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Dérbi na "bwin cup"

Jogo fraco entre os velhos rivais, para a "bwin cup". 
Pedro Martins, como bem se entende, optou por lançar em campo uma equipa com habituais suplentes, que precisam urgentemente de ganhar ritmo competitivo para o caso de serem chamados a substituir jogadores lesionados ou castigados, e fazendo descansar os mais utilizados. 
O colectivo deu uma boa resposta, dominando os primeiros 45 min perante uma oposição fraca do União.
Segunda parte mais animada, o União finalmente deu um ar da sua graça. Tozé Marreco dispôs de um par de boas oportunidades para empatar a eliminatória, negadas por Salin. 
Perante o nulo, Martins lançou Baba no jogo e passados apenas 4 min aconteceu o golo do Marítimo por J. Guilherme. 
Aos 86, grande momento, com Baba isolado a "picar" a bola por cima do guarda-redes, num golo de belo efeito.

Apesar do mau momento do União, esperava maior réplica da equipa azul-e-amarela e também um maior apoio dos seus adeptos. 
Esta equipa tem bons executantes, jogadores que em pouco tempo estarão na I Liga e estando a apenas um golo de empatar a eliminatória pouco fez para o justificar. 
Contava que os seus adeptos ajudassem ao espectáculo e isso também não aconteceu. Os sócios unionistas tiveram entrada gratuita no jogo, não tiveram bilhetes a 40€/ 50€, mas ainda assim foram muito poucos os que se deslocaram aos Barreiros na tarde de sábado. 
Não se pode apoiar apenas quando a equipa está por cima. O amor a um clube não depende das vitórias e, neste caso, até tinham uma boa oportunidade. Se já poucos compareceram, mal o Marítimo marcou o 1º golo a maioria abandonou o jogo e a sua equipa. 
Não tenho nenhuma simpatia especial pelo União, mas este jogo, pelas recordações que traz a muitos adeptos dos dois clubes, merecia mais público, mais emoção e maior alegria. 
Sinal dos tempos.. 






sábado, 12 de novembro de 2011

Rectificação.

O jogo da 2ª. mão da 2ª. fase da "BWin Cup" com o União da Madeira, está marcado para as 16h e não para as 18h15m, como por engano tínhamos publicado. 
As nossas desculpas. 

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Ligue ao clube do seu coração!


Este será, em minha opinião, um dos melhores vídeos do Marítimo. 
Esta sucessão de imagens de golos do Marítimo, as frases colocadas pelo seu autor, o discurso do Pedro na apresentação da equipa em que ninguém acreditava, etcétera, fazem com que este vídeo nos toque profundamente. 

Um grande bem-haja ao "Ruben Adriano", ficamos a aguardar o próximo.  

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Valentin Roberge

"Sabia que éramos melhores do que diziam."

"No futebol tudo é rápido. Num momento estamos bem e no outro estamos no fundo." 

"Não me posso esquecer que foi o Marítimo que me ajudou e estou muito grato ao clube, ao  Presidente e a todas as pessoas por me terem proporcionado esta oportunidade. Só saio se o Presidente chegar ao pé de mim e disser que o negócio será bom para mim e para o clube. Estou aqui muito bem."

Vergonhoso

Bancada Poente - 50€
Bancada Nascente Lateral - 40€
Bancada Nascente Central - 45€

Estes preços referem-se a que dérbi? 
a) Sporting C. P. - S. L. Benfica
b) Manchester United - Manchester City
c) C. D. Nacional - C. S. Marítimo 
d) Inter Milão - Milan A. C. 

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Gosto(e).

Facebook - Página Oficial C. S. Marítimo

Facebook - Irredutível Marítimo MCMX

Outra vez?


Segundo o "Diário de Notícias" Pedro Martins terá sido sondado por elementos ligados ao clube nortenho, que quiseram inteirar-se da sua situação contratual para o caso de uma eventual saída de V. Pereira já depois do jogo na Ucrânia para a Liga dos Campeões. 
"..esta é a terceira 'investida' portista a elementos do Marítimo. Depois de terem contratado  Kléber e Djalma sem nunca sequer contactarem o clube madeirense, voltam a repetir a conduta com Pedro Martins."
O F. C. Porto já veio desmentir a notícia classificando-a de "falsa e absurda", mas com esta gente todo o cuidado é pouco. 
Cabe ao Presidente trabalhar no sentido de que estes jogadores e equipa técnica estejam bem seguros pelos seus contractos para que não se repitam as novelas do passado e, em minha opinião, a sair alguém, que seja para o estrangeiro. Já vimos que os clubes nacionais com o Marítimo querem é borlas, só pagam quando compram na Argentina, no Brasil ou na Bélgica. 
Estas notícias, estes boatos, começarão a surgir com maior frequência com o intuito de destabilizar o grupo, por isso é preciso "minar" a equipa para que um dos seus pilares, a tranquilidade, não seja atingido. 

domingo, 6 de novembro de 2011

Épico

















Duro teste contra aquela que é considerada pela crítica portuguesa como a equipa sensação do campeonato. Com muito respeito pela Académica, não percebo bem porquê. Não sei o que nos reserva o futuro mas nestas primeiras 10 jornadas, se há equipa que anda a causar sensação é sem dúvida o Marítimo de Pedro Martins. 

Quanto ao jogo, na primeira-parte vestimos o traje de gala, na segunda o fato-macaco. Passo a explicar. 
Nos primeiros 45 min o Marítimo teve uma exibição personalizada, de intenso domínio, com jogadas bem desenhadas e que empolgaram e orgulharam todo o público do Caldeirão. 
Um golo anulado a Baba e um lance com a bola a bater por duas vezes nos postes poderiam ter fechado o jogo mas, sem ter feito nada por merecer a Académica reduz no fim da Iª. parte num erro grosseiro da defesa Verde-rubra, e assim ganha novo alento para a segunda-parte. 
Logo no 1º minuto da segunda-parte, uma defesa incompleta permite a Marinho empatar o jogo e recuperar de uma desvantagem de dois golos nas duas únicas oportunidades de que dispuseram. 
Quando muitos pensaram que o desânimo tomaria conta da equipa eis que surgem os dois melhores da partida (Baba e Sami) a resolver a questão e a devolver a justiça ao marcador e a festa aos Barreiros. 
Na segunda-parte a equipa trabalhou imenso, não teve vergonha de recuar as linhas dando a iniciativa de jogo à Académica e jogando como tão bem sabe, em transições rápidas. Apesar da boa réplica Peçanha não teve grande trabalho até ao final do jogo. 
Vitória com inteira justiça para o Marítimo que, mais uma vez, demonstrou grande personalidade, vontade, entre-ajuda, humildade e alegria no seu futebol, conseguindo galvanizar uma massa adepta muito exigente e cumprindo o desejo de Pedro Martins de nesta época conquistar os sócios. 
Nota de destaque para BabaGol que é nesta altura líder isolado da tabela dos melhores marcadores, e para Sami que terá conseguido ontem a melhor exibição da temporada fazendo esquecer Djalma. 

Papa Babacar Diawara

Em votação efectuada pelos treinadores e adeptos registados no sítio oficial da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, Baba foi eleito o terceiro melhor jogador do mês de Outubro 

Para quem ainda não percebeu.

in "Sentimento C.S.M."

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

C.S. MARíTIMO - Académica

"Tenho a certeza que no próximo sábado, apesar das circunstâncias que envolveram o jogo de Barcelos, vamos estar a 100% e preparados para um jogo difícil, mas prontos para vencer.
Estamos bem, quer fisicamente, quer mentalmente, motivados, sabendo que vamos ter muitas dificuldades perante um adversário que partilha os mesmos objectivos, mas, também, sabendo que se vencermos alargamos a vantagem para os 8 pontos. Sabemos que não irá ser um jogo fácil, evidentemente que contamos com o apoio do nosso público, e tenho a certeza que vamos dar uma boa resposta e conquistar os 3 pontos, que é esse o nosso objectivo.
A Académica é uma excelente equipa, pratica um futebol de ataque e estamos convencidos que não irá alterar a sua filosofia.
Este grupo está muito unido, com uma enorme vontade de vencer e tenho a certeza que vamos fazer um bom jogo e lutar pela conquista dos 3 pontos. Depois, se não conseguirmos - o futebol é fértil em surpresas e ninguém tem a certeza de nenhum resultado - estou convicto que ninguém irá deixar de ser agressivo. O nosso objectivo passa pela vitória e muito sinceramente não há ninguém aqui dentro que pense de outra forma, sabendo que vamos encontrar muitas dificuldades perante uma equipa forte.” Pedro Martins 

Lista de convocados:
GR: Peçanha e Ricardo;
DF: Briguel, João Guilherme, Roberge, Rúben Ferreira e Luís Olim;
MD: Roberto Sousa, João Luiz, Rafael Miranda, Olberdam e Benachour;
AV: Heldon, Baba, Sami, Pouga, Fábio Felício e Danilo Dias.
* Robson continua ausente a recuperar da lesão sofrida no jogo com o V. de Setúbal. 

DC Futebol Clube: Cartoon - Manduca

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Manduca, lembram-se dele?



A equipa sensação da Liga dos Campeões conta com 3 ex-jogadores verde-rubros: Nuno Morais, Marcinho e Manduca (o jogador que hoje esteve em destaque ao marcar o golo da vitória do Apoel no último minuto). 



"O árbitro negou-nos um penalty claríssimo, é um lance que não deixa dúvidas a ninguém." Pedro Martins 


Foi esta a história dos últimos 15 minutos. 
Quando ao peito temos o leão do Almirante e não o leão da peugeot fica tudo mais difícil. 

terça-feira, 1 de novembro de 2011

O nevoeiro levou a melhor..


Já esperávamos grandes dificuldades em Barcelos, mas nevoeiro não estava nos planos. 

Não foi brilhante o jogo (ou estes primeiros 75min.). Apesar de bastante disputado (esta equipa do Gil é um osso duro de roer em casa, com jogadores rápidos e de grande entrega ao jogo) pertenceram ao Marítimo as melhores oportunidades do jogo, com Sami, Baba e Adriano em destaque. 
Na 2ª. parte deu a sensação de que estávamos fortes mas a interrupção não ajudou e depois do recomeço o jogo entrou numa toada lenta. Quando os treinadores pareciam querer arriscar tudo na procura do golo, nova interrupção, desta vez para adiar os 15m finais para o feriado de 1 de Novembro às 16h. 
Pelos golos falhados esta situação veio prejudicar principalmente o Marítimo, até porque num jogo com 15min não deverão acontecer muitas oportunidades de golo, jogando as equipas a medo, mais preocupadas em garantir 1 ponto, que em ganhar 3. Já para não falar nas questões financeiras e logísticas, com alteração de viagens, despesas de hotel extraordinárias, etc. 

"Planeta do Futebol" L. F. Lobo


"NOTAS
'Esconder' o mais criativo:
À 6ª jornada, o Marítimo de Pedro Martins solidificou um onze e um sistema de jogo que, num 4x3x3 forte a pressionar na zona central (o trio Souza-Rafael Miranda-Olberdam) não deixou, no entanto, que esta concessão à face mais combativa do sector, ele perde-se o seu elemento mais criativo, Danilo. No passado, surgira quase sempre no centro, como um 10 solto repentista.
Na nova equação táctica, surge encostado sobre um flanco como ponto de partida do seu jogo. Com Sami na esquerda, Danilo descai sem bola sobre a direita, puxando depois para o centro na sua posse. Faz recordar um pouco o que Marcinho fazia em épocas passadas.
Mantendo um nº9 forte (Baba) com poder de desmarcação em espaços curtos, o «criativo escondido» torna-se difícil de marcar para os adversários. O Guimarães sentiu isso no ultimo jogo. Sempre que surgia no jogo quase que parecia sair de um buraco no relvado. Então, quase parecia que a equipa jogava com doze jogadores. É a ilusão mais directa que se tem quando existe superioridade táctica clara num sector especifico. 

OBSERVANDO AS ESTRELAS - Rúben Ferreira:
O aparecimento de um lateral-esquerdo português a jogar a titular numa equipa do nosso campeonato é quase anunciado como o nascimento de um Panda em cativeiro. Ruben não será um grande craque, mas nessa posição problemática tão específica, é a melhor notícia que o futebol português recebeu nos últimos tempos.
Feito no Marítimo, da equipa B para o onze principal (internacional sub-21) é seguro posicionalmente, sabe defender, alto e atento nas dobras e sem receio dos duelos físicos. Não parece com grande intensidade de jogo, mas vai ganhando confiança com os jogos para subir mais e está sempre tranquilo na hora de decidir. Veremos a sua evolução. É um lateral-esquerdo para seguir nos próximos tempos." in planetadofutebol