segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Derrota imoral

Mais um jogo infeliz em que criamos boas oportunidades, dominamos grande parte do jogo, demonstramos uma enorme alma, esforço e bravura e acabamos a desperdiçar pontos preciosos contra um adversário que teve a sorte do jogo e a eficácia que nós não tivemos ainda esta temporada. 
A juntar às dificuldades da equipa um árbitro internacional que deixou muito a desejar e que conseguiu irritar sobremaneira os adeptos, com uma arbitragem mesquinha e condescendente com a equipa que procurava manter uma vantagem caída dos céus e com origem numa das muitas "faltinhas" assinaladas. 
Um jogo inteiro a queimar tempo na reposição da bola e jogadores a sair a passo (provavelmente o Ruben ficou magoado com os assobios), tudo com a doce complacência da equipa de árbitros (internacionais). 
É uma crítica sobretudo à forma como se apita em Portugal. Todas as equipas o fazem mas cabe aos árbitros defender o espectáculo e evitar que aconteçam, procurando que as equipas se preocupem em jogar e não em queimar tempo. 
E quando a equipa procurava o empate validam um golo em que o Salin é carregado. Foi a gota de água. 

Mas nesta casa não justificamos derrotas com arbitragens. Isso deixamos para outros, para os que alimentam o circo do futebol português e para a classe dos jornalistas, jornaleiros, opinadores e paineleiros que os acompanham.

É preciso compreender as limitações do plantel, as dificuldades que o clube assumiu, os cortes no futebol profissional, a luta pela sobrevivência. Isto deve ser interiorizado pelos adeptos. 
E se existem críticas às falhas na finalização, ao rendimento de um ou outro jogador, existem também muitas a ser encaixadas pelos sócios e adeptos.

"Estamos numa fase em que necessitamos do apoio incondicional de todos." 
"A nossa grande força é a união, pelo que sinceramente espero que a massa associativa apareça ,.., e nos ajude num momento de grande dificuldade que temos pela frente na Liga." 
"É nestes momentos que os nossos adeptos nos devem apoiar até ao fim." 
"A época passada sentíamos que toda a gente estava imbuída de um espírito mais forte do que agora." Pedro Martins

sábado, 27 de outubro de 2012

Para ouvir com atenção.

Conf. Imprensa Pedro Martins

"Espero sinceramente que amanhã a nossa massa associativa apareça."

Muito perto..

Num jogo que não foi espectacular provamos mais uma vez que com um orçamento de tostões não somos inferiores a nenhuma destas equipas e neste jogo fica a sensação amarga de termos perdido dois pontos, já que a única equipa a chegar-se à frente, a procurar vencer fomos nós. 
Mais uma vez a equipa criou oportunidades para marcar mas não foi eficaz, e mais uma vez foi um dos centrais a dar um pontapé na apatia dos avançados.

"O jogo não foi extraordinário, longe disso, não proporcionou muito momentos apaixonantes, mas mostrou um Marítimo realista, esforçado e lutador. Argumentos que precisam de ser realçados e aplaudidos. 
Portanto muitos adeptos do Marítimo necessitam de ser um pouco mais condescendentes para com a equipa que muitas vezes criticam e pouco apoiam. É verdade que num cenário de crise, num país endividado e afundado, desesperamos por momentos ímpares, que nos ajudem a esquecer o triste fado que nos une. Mas.. não exageremos. 
Dentro das limitações conhecidas o que este Marítimo anda a produzir é merecedor de todos os elogios." Filipe Sousa

Infelizmente não merecemos vencer, não pelo que fez o adversário nem pelos adeptos que lá estiveram, mas sobretudo pelos que não estiveram. 
Não é possível depois de tudo o que passamos, depois do enorme esforço que o clube fez para poder oferecer aos seus adeptos uma fase de grupos nos Barreiros, depois de um grande desinvestimento na equipa de futebol, das dificuldades em formar a equipa, do dificílimo mas não menos brilhante apuramento, não é possível termos uma casa como a que tivemos. 
Assim não vale a pena. Assim mais vale abdicarmos de futuras participações europeias e dedicarmo-nos a torneios de pré-época. 

Esperemos que domingo não se repita o cenário dos dois últimos jogos. 

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Não vai querer perder.

É já na próxima quinta-feira que o Marítimo recebe nos Barreiros os franceses do "F. C. Bordeux".  
Os bilhetes já estão à venda nas lojas do clube, na Rua D. Carlos I e no complexo em Santo António. 
O clube fez um enorme esforço para poder dar aos madeirenses e a todos os sócios e adeptos a oportunidade de assistir nos Barreiros aos jogos da Liga Europa. Não faça como no último domingo, não fique em casa, não perca este "jogão". 

Sócios: €10

Não sócios :
1ª classe cativos– €75
2ª classe cativos- €60
Central €40
Lateral Sul €20


* E aproveito para deixar mais um exemplo da "cultura" instituída no nosso futebol: 
A SIC, que transmite em canal aberto um jogo (por jornada) das equipas portuguesas presentes na edição deste ano da L.E., ainda não descobriu que estão lá três equipas portuguesas. 
Como é possível que um canal "português" prefira transmitir um jogo "Horsens x Sporting", ou "Genk x Sporting" em vez de um jogo entre equipas, que apesar de não serem da capital (do sul ou do norte), também são portuguesas e enfrentam equipas como Newcastle ou Atlético de Madrid?  
Por aqui se vê o que é o futebol português, o que é o tratamento dado a umas e outras equipas, a parolice de um país em que uns têm sempre lugar cativo enquanto os outros são mera paisagem, são esquecidos, não entram na equação.   

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

A excelência do nosso jornalismo.

em "abola.pt"
Para o Sr. Ricardo Nuno Abreu, com quem terá jogado o C. S. Marítimo? Com o União de Tomar?

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Assembleia Geral

"O Club Sport Marítimo reúne, na tarde desta sexta-feira, em Assembleia Geral. Os sócios verde-rubros, com as quotas em dia, são chamados à Aprovação e Votação do Relatório e Contas relativo à temporada de 2011/2012.
A reunião está marcada para as 18 horas, no Complexo Desportivo do Marítimo, em Santo António."

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Intelectuais e o futebol

"O mundo intelectual sempre adoptou uma atitude superior e arrogante com o futebol e com tudo o que este desporto desperta enquanto paixão colectiva. 
Este jogo foi condenado por intelectuais de esquerda e de direita. Da direita, dizem eles que o futebol é a prova de que o povo pensa com os pés; da esquerda dizem que o futebol tem a culpa de que o povo não pense. 
Por sorte, nos últimos anos estas opiniões têem mudado. Muitos intelectuais saíram do armário, como dizem os homosexuais. Antes tinham vergonha da sua paixão e agora mostram-na e falam dela. Sempre, claro está, que se jogue bem. Refiro-me a esses jogos em que se joga por jogar e não por ganhar. O futebol é um desporto que serve para limpar a alma e cuidar do corpo." 

Eduardo Galeano

"Futebol é inteligência em movimento." 
"Tudo quanto sei com maior certeza sobre a moral e as obrigações dos homens devo-o ao futebol."
Albert Camus - Prémio Nobel da Literatura 1957




"- Como explicaria a uma criança o que é a felicidade?
- Não explicaria. Dava-lhe uma bola para jogar."
Dorothee Sölle, escritora e teóloga alemã.




"DA GENTE QUE EU GOSTO.
Eu gosto de gente que vibra, que não tem de ser empurrada, que não tem de dizer que faça as coisas, mas que sabe o que tem que fazer e que faz. A gente que cultiva os seus sonhos até que esses sonhos se apoderam de sua própria realidade.
Eu gosto de gente com capacidade para assumir as consequências das suas acções, de gente que arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, que se permite, abandona os conselhos sensatos deixando as soluções nas mãos de Deus.
Eu gosto de gente que é justa com a sua gente e consigo mesma, da gente que agradece o novo dia, as coisas boas que existem na sua vida, que vive cada hora com bom ânimo dando o melhor de si, agradecido de estar vivo, de poder distribuir sorrisos, de oferecer as suas mãos e ajudar generosamente sem esperar nada em troca.
Eu gosto de gente capaz de me criticar construtivamente e de frente, mas sem me lastimar ou me ferir. Da gente que tem tacto. Gosto da gente que possui sentido de justiça. A estes chamo de meus amigos.
Eu gosto da gente que sabe a importância da alegria e a pratica. Da gente que por meio de piadas nos ensina a conceber a vida com humor. Da gente que nunca deixa de ser animada.
Eu gosto de gente sincera e franca, capaz de se opor com argumentos razoáveis a qualquer decisão.
Gosto de gente fiel e persistente, que não descansa quando se trata de alcançar objetivos e ideais.
Eu gosto de gente de critério, a que não se envergonha em reconhecer que se equivocou ou que não sabe algo. De gente que, ao aceitar seus erros, se esforça genuinamente por não voltar a cometê-los. De gente que luta contra adversidades. Gosto de gente que procura soluções.
Eu gosto de gente que pensa e medita internamente. De gente que valoriza os seus semelhantes, não por um estereótipo social, nem como se apresentam. De gente que não julga, nem deixa que outros julguem. Gosto de gente que tem personalidade.
Eu gosto de gente que é capaz de entender que o maior erro do ser humano é tentar arrancar da cabeça aquilo que não sai do coração.
A sensibilidade, a coragem, a solidariedade, a bondade, o respeito, a tranquilidade, os valores, a alegria, a humildade, a fé, a felicidade, o tacto, a confiança, a esperança, o agradecimento, a sabedoria, os sonhos, o arrependimento, e o amor para com os demais e consigo próprio são coisas fundamentais para se chamar GENTE.
Mário Benedetti
Com gente como essa, me comprometo, para o que seja, pelo resto de minha vida... já que, por tê-los junto de mim, me dou por bem retribuído.

Impossível ganhar sem saber perder.
Impossível andar sem saber cair.
Impossível acertar sem saber errar.
Impossível viver sem saber reviver.

A glória não consiste em não cair nunca, mas em levantar-se todas as vezes que seja necessário.
E isso é algo que muito pouca gente tem o privilégio de poder experimentar.
Bem aventurados aqueles que já conseguiram receber com a mesma naturalidade o ganhar e o perder, o acerto e o erro, o triunfo e a derrota...



"É a coisa mais bonita do mundo, é respeitar o ser humano." Sócrates 

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Selecção da Madeira

A Espanha tem dominado o futebol mundial e deve-o em grande parte à influência dos jogadores catalães. 
Num cenário de independência da Catalunha, que parece cada vez mais real com o aproximar das eleições autonómicas e de um futuro referendo, a Catalunha seria, segundo muitos especialistas, comentadores e analistas, uma selecção mais forte que a espanhola.
Aqui não nos cabe opinar sobre opções políticas, muito menos trazer à baila a questão separatista. Trata-se apenas de criar um cenário, suponhamos que... 
Será que Madeira poderia ter uma "selecção" comparável à "portuguesa"? Quais seriam as vossas escolhas? 

Convocatória: 
GR: Bruno Freitas, Cárin;
DF: Briguel, João Diogo, Pepe, Fernando, Igor Pita, L. Olim, Rúben Ferreira; 
MD: Jota, Marakis, Paulinho, Márcio Abreu, Rúben Micael, Rúben Andrade, Nuno Viveiros, Paulo Teles;
AV: Danny, Ronaldo, Élio, Miguel Fidalgo, Chíxaro e Alex. 

Seleccionador: Leonardo Jardim 

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

terça-feira, 9 de outubro de 2012

"Já é tempo de acabar com este choradinho. Se fosse governo este seria um ano zero. 
Vivemos num tempo de dificuldades e cada um terá que encontrar alternativas para sobreviver." 
"O importante é saldar o passado, de forma a cumprir com o que foi contratualizado." C. P. 

Uh é Rafael!


Três preciosos pontos conquistados num campo dificílimo onde nunca havíamos ganho. 
A equipa esteve abaixo daquilo que já provou ser capaz de fazer, mas lutou e foi feliz desta vez. 
Esperemos que esta vitória traga maior confiança e tranquilidade para os difíceis desafio que se seguem mas é preciso ter em conta que este campeonato não será fácil para ninguém, como alertou o Pedro Martins no final do jogo, em palavras que deviam também ser interiorizadas pelos adeptos: 
"É este o nosso campeonato, assumimo-lo, vamos ter dificuldades e temos de apelar ao espírito de sacrifício." 
De saudar o apoio que alguns bravos adeptos do Marítimo deram à equipa, audível na transmissão e que tanto nos orgulhou. 
Estes adeptos transmitem o verdadeiro sentimento verde-rubro, estando presentes quando muitos outros abandonam ou deixam de acreditar. Um grande bem haja. 
Quanto ao homem do jogo, Rafael Miranda, começam a faltar as palavras para descrever a qualidade deste jogador. 
Há muita gente desatenta que não se apercebe do enorme jogador que é o médio brasileiro, ex-Atlético Mineiro, e, perdoem-me se acharem exagerado, mas acho que tem qualidade até para a "canarinha". 
É importante gerir o esforço do "Rafa" porque precisamos dele até final e já em Bruges  o atleta ressentiu-se da carga de jogos a que tem sido sujeito neste início de época. 

"Rafa" ficou conhecido no Brasil como o "Xodó da Vovó", com uma história tocante e que demonstra a personalidade e forte carácter de um dos melhores jogadores e profissionais a representar o Marítimo nos últimos anos. 
Será que foi a Avó Helena a nos ajudar na conquista destes três pontos?

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Não tivemos "Bacca"



Provamos que colectivamente somos melhores que este Brugges mas não tivemos sorte nem eficácia nas oportunidades criadas. 
Os belgas chegam ao golo numa boa fase do Marítimo e depois só tiveram que explorar o contra-ataque com o espaço que deixávamos atrás, numa altura de tudo ou nada. 
Fizemos uma primeira parte de muito bom nível e, se aquela bola do João Luiz tem entrado as coisas teriam sido bem diferentes. 
Algum azar e alguma falta de confiança na hora de rematar à baliza ditaram este resultado.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Dia Mau


"... uma exibição a roçar o paupérrimo, são motivos mais do que suficientes para colocar em alerta as tropas verde-rubras. Pedro Martins bem se esforça, levanta os ânimos, mas o milagre da multiplicação tem os seus limites. 
A perda sucessiva de jogadores importantes não tem sido colmatada pelas dificuldades financeiras conhecidas e, para agravar, elementos que foram importantes na brilhante época passada, tardam em aparecer. Assim, passadas as emoções de um início de temporada brilhante, a razão começa a ser mais forte e traz à tona as limitações evidentes no Marítimo." Emanuel Rosa

A brilhante "época passada" e "início de temporada" fizeram com que muitos se esquecessem de tudo o resto, e à primeira dificuldade é ver a enxurrada de críticas, na maioria injustas, a ingratidão àqueles que, contra todas as expectativas, foram enormes na época passada e históricos já esta temporada.
Acho importante que os sócios e adeptos estejam cientes do que nos espera, não é novidade, não acontece pelos dois resultados negativos nos dois últimos jogos, já todos o sabíamos. E é importante porque se ao invés de os apoiarmos, de mostrarmos que queremos juntos ultrapassar as dificuldades, dar a volta por cima, começarmos com os assobios, os insultos, a pressão nos jogos em casa como aconteceu há duas épocas, meus caros, aí sim, as perspectivas serão trágicas, não tenho a menor dúvida. 

Dissemo-lo antes, o sucesso do Marítimo na versão 2012/2013 passa muito pela equipa B, pela ligação com o trabalho do José Barros. É nessa equipa que estão os reforços, é com aqueles jogadores que temos que contar para uma longa e duríssima época em várias frentes. 
Esperemos que os jovens jogadores estejam cientes da responsabilidade e concentrados apenas no seu futebol e não na "movida" madeirense, e que a "gestão de esforço" dos jogadores mais utilizados seja tido em conta para que a equipa não quebre como no passado. 

Meus caros, desfrutem, estamos na fase de grupos da Liga Europa, aproveitem este momento e acreditem neste clube. 
Pode faltar um avançado, podem faltar laterais, mas há coisas que o dinheiro não compra e foi isso que nos trouxe até aqui. 

Esperemos que amanhã possamos recuperar desta fase menos boa e, no mínimo, fazer um jogo que nos deixe orgulhosos. 
"Joguem o vosso melhor, a mais não são obrigados." 
Club Brugges x C. S. Marítimo, 04-10-2012 às 20h05m