domingo, 31 de março de 2013

Duplo V


Uma vitória expressiva como há muito não se via (apenas o segundo jogo a marcar mais do  que dois golos) e que permite manter intactas as nossas ambições, numa luta que deverá ficar decidida em cima da linha de meta. 
Destaque para a exibição colectiva, para a eficácia no ataque e para mais um golo de Suk. Esperámos e desesperámos durante um ano por um reforço para o ataque, depois de Baba nos ter deixado órfãos, e parece que a espera compensou. 

Já a equipa secundária do C. S. M. venceu o FCP B com um golo de Amar numa daquelas vitórias sempre tão saborosas (lembram-se do outro Senhor?  Será que pela rádio também viu um "relvado ondulante" em Santo António?).

sexta-feira, 29 de março de 2013

V. Setúbal - MARÍTIMO : Antevisão




No último jogo, o Marítimo empatou frente ao Porto, um candidato ao título. Subimos um posto na tabela classificativa, ficando a um ponto do 5º lugar (Estoril Praia) que garante o acesso à Liga Europa e ficando a 12 pontos do 4º classificado, Paços de Ferreira.

A luta parece continuar firme, com as equipas do Vitória de Guimarães e Rio Ave com a mesma pontuação que a nossa, e abaixo de nós temos o Nacional com menos 2 pontos, Sporting com menos 3 e Vitória de Setúbal com menos 7.

Nesta jornada defrontamos uma equipa que parece querer sair da 11ª posição, pois está a apenas com mais 6 pontos do último classificado.




Circunstâncias de jogo:


O Marítimo nos ultimos 5 jogos venceu o Estoril Praia e Académica, empatou depois frente ao Moreirense, perdeu frente ao Sporting de Braga e por fim empatou a uma bola com o Porto. Forma: V;V;E;D;E continua na procura do 5º lugar, garantindo a Europa e distanciando-se das equipas nas mesmas circunstâncias pontuais.



 
A minha visão:

Vitória de Setúbal nos últimos 5 jogos venceu o Olhanense e Beira-Mar, depois perdeu com Paços de Ferreira, Vitória de Guimarães e Sporting - forma: V;V;D;D;D

Vitória de Setúbal com uma época irregular, com muitas derrotas consecutivas, tendo como pior registo as 4 derrotas consecutivas de 20/01 a 3/02). Perdendo este jogo faz o mesmo número de jogos.




Sondagens:




 (Retirado do site ZeroZero)

A aposta principal vai mesmo para a vitória do Marítimo, com maioria absoluta, 53%, frente ao Vitória de Setúbal que conta com prognóstico de apenas 27% de hipóteses. O empate é o cenário menos provável, com 21%.



Curiosidades:

Em 61 encontros, o Vitória levou a melhor em 24 vezes frente a 23 vezes do Marítimo e 14 empates. A nível de golos marcados, surge uma grande diferença, com o Setúbal com 84 golos marcados frente a 65 do Maior das Ilhas.

Os Melhores Marcadores:

Para o Marítimo: David Simão 4, Sami e Rafael Miranda 3, Adilson, João Guilherme, Fidélis, Danilo Dias e Suk 2, Kukula, Rodrigo António, Artur e Roberge com 1.

Para o Vitória de Setúbal: Meyong com 13 golos (mas já não se encontra na equipa); Pedro Santos com 4, Makukula e Cristiano com 2, Bruninho, Miguel Lourenço, Jorginho, Paulo Tavares com 1.


Lista de convocados:

Marítimo:

Guarda-redes: Salin, Ricardo;
Defesas: BriguelRobergeMárcio Rosário, Igor Rossi, Luís Olim e Rúben Ferreira;

Médios: Semedo, Rafael MirandaArtur, Rúben Brígido e David Simão;

Avançados: Suk, Danilo Dias, SamiHeldon e Kukula.


Setúbal:

Guarda-redes: Kieszek; Caleb

Defesas: Amoreirinha, Jorge Luis, Miguel Lourenço, Peter Suswan, Frederico Venâncio e Nélson Pedroso.
Médios: Bruno Amaro, José Pedro, Paulo Tavares, Bruno Turco e Bruno Gallo.
Avançados: Bruninho, Cristiano, Jorginho, Pedro Santos, Miguel Pedro e Makukula

Ausências:

Marítimo não conta com Olberdam e João Luiz por lesão (sendo que este último não jogará mais nesta época).

Vitória de Setúbal não conta com Ney Santos e Pedro Queirós devido a castigo.


Discurso dos treinadores:

Pedro Martins: "É um jogo importante. Estamos a um ponto do 5º lugar e é um jogo em que, se nós vencermos, damos mais um passo rumo ao que pretendemos. Não é um jogo decisivo, pois está toda a gente muito próxima. Havendo jogos como o Moreirense-Estoril e o Benfica-Rio Ave, poderá lançar-se ainda mais confusão na luta europeia.
José Mota: "O Marítimo nem sempre parece ser uma equipa muito equilibrada, mas eu tenho uma ideia diferente. É uma equipa que assume o jogo fora da mesma maneira que o faz em casa, mas penso que este jogo poderá ter características diferentes".




A minha visão:

Acredito numa boa vitória do Marítimo, com uma grande prestação. Depois de um empate fundamental frente a um candidato ao título e anterior campeão nacional, a motivação está em alta, com grande garra de levar de vencida a equipa do Setúbal. Após ter estado no hotel, a motivação e confiança eram notórias. Fez-me lembrar o ambiente antes do jogo contra o Sporting, sendo que ainda acho que estaria bem melhor desta vez.
Apostaria num resultado de 0-2, com golos de Suk e Héldon (ou mesmo Kukula ou Danilo Dias).
Espera-se ainda alguma aderência ao jogo, com adeptos verde-rubros já a confirmarem a sua deslocação. Esperemos conseguir fazer o mesmo que o ano passado, que foram um enorme número de adeptos maritimistas.
O TEU APOIO É FUNDAMENTAL!


quinta-feira, 21 de março de 2013

Governo torna obrigatório o policiamento nos jogos e quer obrigar clubes a divulgar apoios às claques


O governo português aprovou já um decreto-lei que torna obrigatório o policiamento em todos os jogos desportivos profissionais. Esta decisão vem na sequência de incidentes em diversos jogos profissionais de futebol, que em nada dignificam o nosso país, que deram muito que falar.
Estes actos de violência e desobediência, foram justificados com o facto de não haver policiamento e de não existir nenhuma identidade com a capacidade de os deter – na vossa opinião, será bem assim?
“O decreto-lei determina que os espetáculos desportivos integrados em competições desportivas de natureza profissional como tal reconhecidas nos termos da lei devam sempre, obrigatoriamente, ser objeto de policiamento”, explica o Conselho de Ministros, em comunicado.
A factura desse policiamento continuará a ser entregue aos clubes, “não há alteração em relação àquilo que existe até agora. Esse pagamento é feito, naquilo que tem a ver com o policiamento dentro do recinto desportivo, pelos clubes desportivos», frisa Miguel Macedo.
Não existindo aqui alteração, é possível que esta despesa, juntando tantas outras, vá complicar em muito as contas dos clubes, que já lutam pela sua sobrevivência - Na tua opinião quem deveria pagar? Deveria existir um preço que fosse global e uniformizado em todo o país?
A outra notícia refere-se à fiscalização sobre as claques desportivas, hoje foi aprovado uma proposta de um regime jurídico do combate à violência nos espetáculos de futebol. Neste sentido, a proposta de lei passa por obrigar os clubes a declarar os apoios que vão disponibilizar aos seus grupos organizados de adeptos, com os mesmos e terem de ser fixados «num protocolo no início da época.». assim sendo, os clubes terão de divulgar «a composição desse grupo organizado de adeptos».
O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, explicou que a lei em vigor prevê que adeptos com um comportamento violento em recintos desportivos sejam expulsos pelos clubes. «Contudo, que eu saiba, até hoje, ao fim de muitos anos, nunca tal sucedeu», observou.
O Governo avança ainda para o aumento das sanções aplicadas aos adeptos violentos. "São «particularmente agravadas» as sanções para quem ponha em causa «agentes de segurança, assistentes de recintos desportivos e elementos das equipas de arbitragem", concluiu Miguel Macedo, segundo a Agência Lusa. – Será uma boa medida para combater a violência? Será com decretos de lei que se resolve esta situação? Haverá alguma claque que deverá deixar de existir devido a isto?

Notícias adaptadas do site 
http://www.maisfutebol.iol.pt

terça-feira, 19 de março de 2013

O plagiador volta a atacar.

Um nosso velho conhecido volta a atacar o Marítimo ao vomitar ódios e frustrações pessoais que o fazem cair no ridículo.
De um escritor conhecido por estas insanidades numa crónica no jornal "A Bola" e pela acusação de plágio a um dos seus livros, não deixa de ser surpreendente a desonestidade intelectual e o baixo nível. Este tipo execrável, para além de hábil plagiador é exímio na arte da "má língua". 
Ora vejamos, as bancadas não estão em cima do campo, isso deve-se a uma ilusão própria de quem vê o jogo pela televisão (relembrar que o "especialista" nunca esteve na Madeira), tal como a "chapa ondulada" de um terreno que é conhecido como um dos melhores da I Liga e que o provou mais uma vez, oferecendo excelentes condições depois de semanas de pesadas chuvas. Mas para o intelectual d' "A Bola" foi este o responsável pelo empate. Que génio.
E os ataques continuam com a crítica ao "aumento da bancada" de um estádio que "jamais enchia na sua dimensão anterior". A partir daqui apetece partir para o insulto gratuito, confesso que é preciso morder a língua para evitar seguir os caminhos nefastos desta vil personagem. 
Primeiro que tudo, o estádio não vai aumentar, vai reduzir em relação à antiga capacidade e o Senhor deve saber que a UEFA exige que os estádios apresentem no mínimo 8.000 lugares para serem licenciados sem ser em regimes de excepção como aconteceu esta época. Antigamente, ao contrário do que este Senhor refere, o estádio enchia e com alguma frequência. Pode questionar o "timing" da obra, os apoios do Governo mas não pode é ser incoerente achando que uns merecem e outros não. 
Quantos milhões de euros dos "dinheiros públicos" foram investidos no Dragão? E quantas vezes é que o Dragão enche? Quantas? 
Eu respondo com dados oficiais e não com base em estapafúrdias ficções que tanto insiste em escrever e que mereceriam um pedido de desculpas pela quantidade de imprecisões e aberrações. 
Está preparado? O Dragão esta época encheu ... 0 vezes (nunca esteve a mais de 77% da sua capacidade e a média é de 50%, ou seja, meia casa). Os dados estão disponíveis na página da Liga, é só consultar.
E depois, na ganância de continuar o ataque, o dragãozinho acha que é por isto que a "Madeira está falida", que foram os apoios ao Marítimo e ao desporto regional que nos trouxeram a esta situação. Mais uma vez vem aquela mentalidade de que, no Porto e em Lisboa é sempre legítimo o desperdício e a criação de dívida, já no interior e nas ilhas não, esses não têm direito, devem manter-se a pão e água. E eu que pensava que o pais estava falido afinal é só a Madeira. Sempre a aprender com esta classe de intelectuais. E por favor, para acabar com os mitos, faça as contas ao que Câmaras e Estado "desperdiçaram" com meia-dúzia de clubes no continente e faça a comparação.  

Para finalizar, peça um conselho ao James para as suas próximas férias e aproveite para fazer uma visita ao Caldeirão para ver se na próxima vez não escreve tanta asneira. 

segunda-feira, 18 de março de 2013

Empate que sabe a pouco... 1 ponto


Aproveitamos os nossos pontos fortes, velocidade, transições rápidas, boa troca de bola e contra ataque, fechando bem na defesa, com coesão e compactados para conseguir pontuar e por pouco que não conseguíamos era a vitória.
Salvo raras exceções, a nossa defesa esteve irrepreensível, irredutível, onde o golo do Porto surgiu mesmo nessas raras oportunidades, que foi bem percebida pelos azuis e brancos, que foram inteligentes no cruzamento, para golo fácil do James.
Acabam todos por destacar Salin pelo jogo brilhante, sem que o Porto impusesse o seu tipo de jogo habitual, mas sendo que mesmo assim o nosso guarda-redes esteve de estar em muitíssimo boa forma para travar alguns remates que iam com sede de golo. Negou muitíssimos lances ao Porto e ainda defendeu a grande penalidade, num excelente momento de jogo em que Salin deu grande alegria a todos os maritimistas. Provou ser o titular, numa equipa como a nossa que tem grandes guarda-redes.
Destacava também Héldon, que em grande velocidade foi o terror para a defesa portista, só lhe faltou sorte e cabeça fria na hora de rematar. Travou claramente um duelo com Helton que manteve a baliza do Porto segura.
Suk também esteve muito bem, com o que lhe é característico: fácil remate, bom cabeceamento, inteligência na posição e visão de jogo, veloz e com capacidade defensiva. Poderá mesmo a ser um enorme talismã verde-rubro, foi um grande achado do Marítimo e que poderá dar-nos uma boa prespectiva de futuro.
O marítimo provou ser capaz, adaptando-se ao jogo e às circunstâncias de jogo, conseguiu surpreender e por pouco que não saia do jogo com os três merecidos pontos.
Nota verdadeiramente positiva para o apoio no estádio, que foi extraordinário e inesquecível, com muito apoio vindo das bancadas. Algo que fez lembrar o velho caldeirão. O verdadeiro 12º jogador esteve presente, com um jogo de elevado calibre. Obrigado a todos os presentes.
Nota verdadeiramente lamentável para os apoiantes portistas, que se fizeram sentir ainda com algum número, muitos deles com convite, e ainda o facto de terem ficado sócios e adeptos na rua, sem lugar para entrarem.


Deixo aqui imagens e vídeos do jogo:



video

Video com 108 680 visualizações













domingo, 17 de março de 2013

MARÍTIMO – Porto: Antevisão

(Imagem do Dragão, do jogo da primeira volta)
No último jogo, o Marítimo perdeu com os arsenalistas, que resolveram à bomba, com dois grandes golos, perdendo assim oportunidade de pontuar, complicando ainda mais as contas para a Liga Europa.
Nesta jornada defrontamos uma equipa com claras aspirações para se sagrar campeão, mas que acaba de sair da Liga dos Campeões frente ao Málaga, sendo também algo que os possa ter perturbado e os possa fazer errar.
 (Retirado do site ZeroZero)

Circunstâncias de jogo:
Marítimo: nos últimos 5 jogos vencemos três vezes, frente ao Sporting, Estoril Praia, Académica, empatou depois com o Moreirense e perdeu no último jogo frente ao Sporting de Braga - forma: V;V;V;E;D
O Marítimo que sempre teve problemas de finalização, nos últimos tempos, tem conseguido marcar em todos os encontros, tirando o último, frente ao Braga.  Continua a lutar para a Europa e por isso tem mesmo de conquistar pontos até mesmo nos jogos “quase impossíveis”.
Porto: Nos últimos 5 jogos para a Liga Zon Sagres, empatou frente ao Olhanense, de seguida venceu o Beira-Mar e o Rio Ave, voltou a empatar frente ao Sporting e foi vencer o Estoril - forma: E;V;V;E;V
Porto que este ano está mais fraco do que o ano passado, apesar disso tem uma excelente equipa que está a lutar pelo primeiro lugar, sendo que já perdeu pontos em pouca gente acharia possível.

Sondagens:
O Porto é favorito à vitória com cerca de 631 votos dos 1001 apurados, 63%, a considerar
provável a vitória dos azuis e brancos. Marítimo que surpreendentemente tem 24% dos votos cerca de 245 pessoas que acreditam na surpreendente vitória do Marítimo. O empate, desta vez, é o menos provável, apenas com 12% das opiniões com 125 votos.(Retirado do site ZeroZero)

Curiosidades:
Em casa do Marítimo, o Porto venceu 17 jogos dos 32 realizados, ou seja, 53% dos antigos encontros foram vitórias, contra as 7 (22%) de vitórias dos verde-rubros. Empataram 8 vezes, que faz o total de 25% das vezes que se defrontaram.


Os Melhores Marcadores:
Para o Marítimo: David Simão 4, Sami e Rafael Miranda 3, Adilson, João Guilherme, Fidélis e Danilo Dias 2, Suk, Kukula, Rodrigo António, Artur e Roberge com 1.
Para o Porto: Jackson Martínez com 23 golos; James Rodríguez com 7, Varela com 4, Lucho com 3, Maicon, Hulk e Mangala com 2, Miguel Lopes, Izmaylov, Astu, Defour, João Moutinho e Danilo com 1.

Lista de convocados:
Marítimo:
Guarda-redes: Salin, Ricardo e Welligton;
Defesas: Briguel, João Diogo, Roberge, João Guilherme ou Igor Rossi, Luís Olim e Rúben Ferreira;
Médios: Semedo, Rafael Miranda, Artur, Rodrigo António e David Simão;
Avançados: Suk, Danilo Dias, Sami, Heldon, Adilson e Kukula.

Porto:
Guarda-redes: Helton e Fabiano.  
Defesas: Danilo, Maicon, Mangala, Abdoulaye, Alex Sandro e Otamendi.
Médios: Lucho, Castro, Izmaylov, Fernando  e Defour. 
Avançados: Jackson Martínez, James, Varela, Liedson, e Atsu. 

Ausências:
Marítimo não conta com Olberdam por lesão e por castigo o central Márcio Rosário.
Porto não conta com João Moutinho por lesão

Discurso dos treinadores:
Pedro Martins: “Assumir o favoritismo seria uma arrogância, mas temos as nossas armas. O FC Porto virá concentrado, sabendo da importância que tem o jogo. Quanto a nós, não esperamos facilidades, porque vamos defrontar um grande adversário”. A receita para fazer um bom resultado, segundo o treinador é ''trabalhar bem, sendo rigorosos'', uma vez que, em seu entender ''com as equipas grandes não há tantas oportunidades”.
''Reconhecemos o valor do adversário, que é, a par do Benfica, a equipa mais forte do campeonato, mas espero que minha a equipa seja ousada suficientemente para fazer mossa''.
Já Vítor Pereira disse que devido à eliminação na Liga dos Campeões que “entristeceu e foi uma expectativa grande que não se concretizou, mas também sabemos que temos um campeonato para ganhar, que queremos muito revalidar. Trabalhamos muito para isso e o próximo jogo será fundamental. Vamos redireccionar toda a nossa concentração para o Marítimo”. “A este nível só nos podemos dar ao luxo de ficar ressacados emocionalmente um dia. Esse dia já passou, hoje estamos preparados para outra guerra que vai ser o jogo com o Marítimo”, “Com rigor, seriedade e um carácter grande pretendemos chegar lá e provar que queremos ganhar o título”.







(Imagens retiradas da RTP)


A minha visão:
Será um duelo difícil, muitos apontam como praticamente impossível, com todas as probabilidades a apontarem para a vitória do Porto, porém, como adeptos, calculamos que conseguimos surpreender, aproveitando as oportunidades de golo para ficar na frente do marcador.
Nunca podemos também esquecer que qualquer equipa que se desloque à Madeira, aos Barreiros nunca tem a vida facilitada!
Quanto a opções técnicas, tenho algumas dúvidas, na defesa Briguel/João Diogo e João Guilherme/Igor Rossi – continuo a não entender o porquê da aposta no Briguel, depois de muitos jogos a jogar o João Diogo que cumpriu e bem, no caso do João Guilherme/Igor Rossi será difícil, pois não são habituais opções, tendo o João Guilherme desaparecido e daí achar que quem jogará será mesmo Igor Rossi (já que ele também foi o escolhido para algumas declarações). Na frente de ataque mais uma vez será indefinido, porém acho que será o Suk, Heldon e Sami. Sendo que fica no banco Danilo e Kukula que poderão entrar na segunda parte. Devemos explorar a velocidade, bolas paradas e contra ataque e assim poderemos surpreender. Temo este jogo, sou sincera, porém ACREDITO!
Outra coisa que acho pertinente referir é que espero não existirem bi-clubistas, com cachecol de um clube e camisola de outro, ou habituais "adeptos maritimistas" a deixarem a sua equipa para apoiarem os visitantes.
Apelo também para mostrarem de que "matéria" são feitos, para mostrarem toda a mística e alma madeirense e maritimista, mostrando-se fieis e crentes.

SE NÓS NÃO ACREDITARMOS, NINGUÉM ACREDITA!

sábado, 16 de março de 2013

O país dos segundos clubes


Nos jogos com os grandes, levo sempre a camisola. Nos outros nem sempre, basta-me ter as cores ao pescoço, mas nestes é uma questão de passaporte, é para ninguém ter de pensar duas vezes. Não haverá nenhum maritimista a quem nunca tenham perguntado: "E o outro clube?". Nos jogos grandes, a minha camisola é a resposta mesmo para quem não perguntou. Um dia, a falar a um jornalista sobre o seu segundo clube, o meu pai disse que o 1º era o Marítimo, o 2º era o Marítimo, o 3º era o Marítimo, e o 4º só não era, porque ter quatro clubes já era demais. Custa-me a entender que o clubismo não seja indivisível.

Ser do Marítimo foi sempre natural. Resultou da simplicidade de quem vai ao estádio, semana após semana, desde os 8 anos, pareceu intrínseco. Estranho era não ser do Marítimo, na verdade. Enquanto cresci, ser de um clube que não tinha nada a ver com o que existia à minha volta, só porque era maior, fazia tanto sentido como querer ter pais diferentes, exigir viver numa mansão ou desprezar a minha terra por não ser uma metrópole. O meu clube nunca foi uma escolha, porque o nosso lugar e a nossa família não se escolhe. Família estima-se, respeita-se e cuida-se, e tem-se, sobretudo, um infindável orgulho nela, porque é a nossa. Pode ser pequena, pobre e ter todos os defeitos do mundo, mas ninguém sai à rua à procura de uma maior.

Não tenho nenhum problema com quem é dos grandes, mas também não tenho nenhuma dúvida de que o futebol português seria infinitamente melhor sem essa febre doentia do biclubismo. Seria mais saudável, mais democrático, mais competitivo. Teria estádios mais cheios, maior identificação, maior rivalidade e maior sustentabilidade. Tudo o que é polarizado é um cancro, e não é à toa que estamos condenados a olhar com uma admiração envergonhada para o que acontece nos maiores países da Europa.

Não que o United, o Madrid ou o Bayern não tenham mais gente, mas, nesses campeonatos, quando eles jogam fora, jogam mesmo. As pessoas orgulham-se do emblema com o qual cresceram a minutos de casa, do clube dos pais, e dos pais dos seus pais, da casa que esteve sempre ali para eles, e que tem uma história com eles, e com quase todos os seus. Para mim, o futebol é pessoal, tem de ser. É essa identificação, é a proximidade e a militância, é acarinhar as cores de onde se nasceu, como se se estivesse a defender a nossa gente. "Ser campeão é detalhe", como diria o grande Sócrates. Há coisas tão mais importantes do que ganhar ou perder.

Em Portugal, tem-se pena de quem pensa assim. Este é o país onde ser exclusivamente do Marítimo, da Académica ou do Setúbal é ser saloio e merecer um olhar de condescendência. É que o português só se sente confortável se achar que é superior. Não tenho nenhum problema com quem é dos grandes, mas a obsessão com eles reflecte o nosso complexo de inferioridade enquanto país. É um sintoma do atraso de um Portugal sem auto-estima regional, que, quase 40 anos depois do fim da ditadura, insiste em continuar estupidamente bipolarizado. Neste retrato do país, morre aos poucos o futebol profissional em Portugal, como morre o Interior e a ultra-periferia, e, qualquer dia, tudo o que não seja Lisboa ou Porto, e a sua liguilha dos três do costume. Estamos todos muito ocupados a ser importantes.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Um leão ferido

... que quer saber se ainda é capaz de rugir.

Podemos neste domingo aproveitar o desgaste físico, mas também emocional, da derrota portista em Málaga.
Se conseguirmos impor um ritmo forte podemos quebrar algumas peças do Dragão e conseguir fazer pender para o nosso lado um jogo que as casas de apostas dão como perdido e que já não vencemos desde 2009.
Será um jogo muito exigente. Temos que ser mais competentes, organizados e competitivos que o adversário e sobretudo, algo em que temos falhado sistematicamente esta época, conseguir manter os níveis de concentração no máximo durante os 90 minutos para não sermos penalizados com golpes fortuitos.   
É um jogo importante para as nossas aspirações e contra estas equipas, por variadíssimas razões, tem sempre um sabor especial. Esta não foge à regra e todos sabemos porquê. Ainda ninguém se esqueceu dos guardanapos e de um jogador cujo empresário transformou em internacional e que foi protagonista de uma novela que o arrancou antes do tempo da Madeira para o levar à série B
Esperemos um Caldeirão ao rubro com bancadas cheias de maritimistas e não dessa espécie de adeptos de futebol de sofá que parasitam pelo nosso futebol e que nem conseguem perceber onde fica a bancada visitante. 
Era bom que um dia os nossos dirigentes respeitassem mais os sócios e adeptos do Marítimo e segregassem os adeptos como é normal, porque estar numa bancada com esta gente durante 90 minutos, é um exercício de grande paciência a que não devíamos estar sujeitos
O que devia estar afixado na Central e na Lateral Sul.

Quais são os vossos prognósticos? Que esperam deste jogo?

segunda-feira, 11 de março de 2013

Não foi desta..

Jogo muito fraco entre dois históricos do futebol português no estádio AXA. 
Foi mais feliz o Braga que com os serviços mínimos conseguiu vencer o Marítimo que pecou por ter respeitado em demasia a equipa bracarense. 
Voltamos a não ser felizes contra o Braga, perdendo um jogo que, pelo fraco futebol apresentado, justificava o empate que o poste negou a Suk.   
 
 
 
  
E agora, que venha o Porto!  

sábado, 9 de março de 2013

Braga - Marítimo: a ante-visão.



Apesar de faltar apenas 9 jogos até ao final do campeonato, temos uma tarefa difícil: Braga, Porto, Vitória de Setúbal, Paços de Ferreira, Nacional, Benfica, Beira-Mar, Guimarães e Olhanense.
Como todos sabemos, temos em mãos encontros extremamente difíceis e pelos quais teremos de dar 200% de todos nós para conseguir pontuar, sem excepção.
A classificação está ainda confusa, sendo que melhorou significativamente nos últimos jogos, com equipas mais distanciadas pontualmente, apesar de existem algumas equipas com os mesmos pontos (Marítimo – Rio Ave; Sporting – Vitória de Setúbal).
Apesar de termos perdido 2 pontos frente ao modesto Moreirense, penúltimo classificado, creio que a motivação continua elevada, com todos os jogadores e adeptos a quererem ver a nossa equipa na Liga Europa.
Nesta jornada, jogaremos fora de casa, contra um Braga que pretende pontuar, para recuperar o terceiro lugar, ocupado pelo Paços de Ferreira. Já nós, temos em vista a Liga Europa e para isso é imperativo subir na tabela classificativa, somando pontos, distanciando-nos do Rio Ave e deixando para trás equipas como o Estoril, Vitória de Guimarães e Nacional.



Circunstâncias:
Braga nas últimas 5 partidas empatou com o Beira-Mar, depois perdeu com o Paços de Ferreira, depois empatou com o Rio Ave e ganhou os últimos dois encontros frente ao Guimarães e Olhanense. (Forma: E;D;E;V;V)
Braga este que faz uma época fora do habitual, encontrando-se em 4º Lugar, com menos um ponto que o 3º classificado e com mais 8 pontos que o 5º (Rio Ave e Marítimo).
O Marítimo tem marcado nos últimos 13 jogos, sendo que nós últimos jogos 5 jogos, com uma pesada derrota frente ao Gil Vicente, vencendo em seguida Sporting, Estoril e Académica, empatando no último jogo frente ao Moreirense.(Forma: D;V;V;V;E)
Marítimo também com uma época menos conseguida, comparando com a do ano passado, sendo que basta descolar do Rio Ave para conseguirmos ascender à Europa, e se possível recuperar o 5º lugar conquistado o ano passado.

Sondagens:
As sondagens dão como certa a vitória do Braga, com cerca de 65% das votações, depois o empate de 19% e por último o Marítimo com 16%.
Em diversos comentários que vi que me chamaram a atenção:  “Acredito que os madeirenses vão pelo menos empatar a Braga pois o Marítimo tem um futebol formatado para jogar no contra-ataque”, “Este jogo deve ser muito equilibrado. O Favoritismo a jogar em casa é do Braga mas talvez resulte num empate.“ e “Já tenho saudades de vencer em Braga.  Braga 1-3 Marítimo”;
Relembrar também que nas ultimas vezes que ganhamos, deram como certo a derrota, e já provamos que somos bons em vencer jogos que à partida todas as sondagens davam como as hipóteses menos prováveis.

Curiosidades:
No total dos 70 encontros destas equipas, Braga venceu 31, Marítimo 18 e empataram 21 vezes. Querendo isto dizer que o Braga é claramente favorito à vitória, se nos guiarmos pelos jogos antigos.
Em casa do Braga a maior vitória sobre nós foi 6-1, em 1977/1978 e a maior derrota foi em 2006/2007 por 1-4, sendo que o Braga perdeu apenas 1 jogo conta nós nos últimos 13 encontros.

Os melhores marcadores:
Os jogadores com mais golos marcados são o Éder, com 13; Rúben Amorim e Mossoró com 4; Rúben Micael, Alan e Hugo Viana com 3; João Pedro, Douglão, Hélder Barbosa, Leandro Salino e Custódio com 2; Carlão, Zé Luís, Ismaily e Paulo Vinícius com 1.
O Marítimo com David Simão com 4; Sami e Rafael Miranda com 3; Adilson, João Guilherme, Fidélis e Danilo Dias com 2; Suk, Kukula, Artur, Rodrigo António e Roberge com 1.

Ausências:
Braga: Sasso; Douglão, Nuno André Coelho, Haas, Éder; Djamal e Rúben Amorim em dúvida.
Marítimo: Além do caso de João Diogo e Fidélis não constarem na lista de convocados, ausências forçadas vão para Adilson e João Luiz.

Discursos dos treinadores:
José Peseiro disse “esperamos vencer. Mas para isso temos de jogar bem, ser coesos, unidos, fortes, concentrados em todos os momentos do jogo». No entanto, há problemas defensivos que podem destabilizar, sendo que o único defesa central é Paulo Vinícius e será provavelmente Custódio a recuar para o centro da defesa. «O adversário é bom, é forte e sente-se melhor a jogar fora, assim o indicam os resultados. O Marítimo é uma equipa que faz transição ofensiva de qualidade»
Pedro Martins, por sua vez disse, «Vivemos com a pressão que é normal, de que se não vencermos deixamos de estar no quinto lugar, mas vamos a Braga jogar para discutir o resultado». «O SC Braga é uma excelente equipa, é um conjunto muito forte quando joga em casa, mudou o seu figurino com José Peseiro e é agora uma equipa com maior circulação de bola, mas que vale pelo seu todo.»


A minha visão:
Todo o verdadeiro adepto verde-rubro espera um bom resultado, mas todos nós sabemos que não será nada fácil, diante de um Braga com algumas limitações em termos de jogadores, só com um defesa central de origem disponível e sem o seu goleador de serviço, mas que apesar disso vale pelo seu todo. Não serão esperadas facilidades nenhumas, terreno difícil, com forte apoio vindo das bancadas, o público presente irá puxar ao máximo pela sua equipa, pressionando ao máximo para um excelente jogo, tornando-o num autêntico "inferno" para quem os visita. O Braga também fez questão de levar mais mulheres ao estádio, após um dia do Dia da Mulher, oferecendo bilhete a sócias, ficando a 2 euros para não-sócias, com o lema de "Atrás de um grande clube, estão grandes mulheres", com um desconto de 35% em artigos mulheres nas lojas do clube.
Nas bancadas esperam-se também poucos ou nenhuns maritimistas, visto ser uma deslocação a norte do país, com limitados acessos. Pelo que se viu, só mesmo um maritimista disse que provavelmente iria ver o jogo. O preço do bilhete é de 10 euros (equivalendo o mesmo preço que a Académica fez, por exemplo).
O onze que acho que irá alinhar é: Salin; Briguel, Márcio Rozário, Roberge e Ruben Ferreira; Rafael Miranda; Artur e David Simão; Heldon, Sami e Danilo Dias. Ficando para suplentes Ricardo Ferreira, Luís Olim, Igor Rossi, Semedo, Olberdam, Suk e Kukula.
Apesar de tudo considero provável o empate a uma bola ou mesmo uma vitória surpreendente por um a dois. Golos de Sami e Héldon.
Marcando o jogo, antes mesmo de ele começar acaba por ser a ausência de João Diogo e Fidélis, e talvez o mais estranho é mesmo o facto de Pedro Proença, Tiago Trigo e Paulo Soares serem substituídos por Bruno Esteves, de Setúbal, Rui Teixeira e Mário Dionísio, sem razão aparente.