segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Um de nós


"O Marítimo? Faz parte da minha vida. Deu-me uma oportunidade como jogador aos 29 anos, e depois deu-me a oportunidade de começar a carreira de treinador. Foram dez anos com muito sucesso. Nunca esquecerei o Marítimo e a Madeira."

Quando me lembro dele, a primeira coisa que me vem à cabeça é um contra-ataque do adversário. Qualquer contra-ataque, qualquer adversário, fosse um, ou fossem muitos. Não sabia exactamente como, só sabia que ia ser com classe. 3 segundos depois, balbuciaria o meu pai, com um sorriso mal escondido: "Mitchell. Fácil." Era isso que parecia. Ele nunca cortava feio, e raramente batia, talvez jogasse por regras diferentes. Calhando, nem sujava os calções. Era um daqueles defesas que faz carreira só para dar bom nome à profissão. Para mim, o Mitchell nunca fez um jogo mau. Jogos maus são coisa de jogadores desocupados, e o Mitchell era sério e holandês, tinha mais que fazer. Não fazia correrias, nem acrobacias e mal me lembro dele gritar com os colegas. O Mitchell sempre foi a prova acabada de um líder pelo exemplo. Para carisma e reverência, bastava-lhe estar. Tinha tanta qualidade e tamanho compromisso com aquela camisola, que não havia como não respeitar, e não tentar modestamente fazer o mais parecido possível. Não acho que, no seu mandato, algum jogador do Marítimo tenha falado para ele sem ter em conta, até à terceira camada do subconsciente, que estava a falar com o capitão. Nele, aquela braçadeira fez sempre sentido, e é isso que faz um mundo de diferença. Não conheço ninguém que o tenha visto, e que não ficasse orgulhoso por ser ele a levá-la.

Em Portugal, ele não vestiu outra camisola. Como tinha de ser. E depois de uma fugida curta à Arábia, voltou para casa, para contarmos com ele. 3 anos desde as botas penduradas, e foi a hora. A época estava estranha, e a aposta foi conservadora, barata, lançou-se um homem da casa para segurar o barco. Na altura, a falta de experiência assustou, mas, vendo agora, foi sempre lógico. Afinal de contas, ninguém melhor do que quem tinha feito vida a segurar-nos tantas vezes. Essa foi a equipa do Marítimo mais entusiástica que me lembro de ver. Não a melhor, não a mais temível, mas, sem ponta de dúvida, a que tinha o maior coração de todos. Lembro-me de um jogo em Belém, a perder 2-0, a jogar com 10, a um quarto-de-hora do fim. Empatámos. Sofríamos golos a rodos, mas uma coisa era certa: não havia adversário nenhum, nem resultado nenhum, que não pudéssemos virar. Esse Marítimo era uma vertigem de futebol total, e de emoção e nervos pela pele. Até hoje, se há "o jogo que eu não fui ver", é a última jornada desse ano, no Afonso Henriques. Tínhamos de ganhar para ir à Europa, o Vitória só precisava do empate, e marcou primeiro. O 2-1 final festejei como um título, a ver em comoção, pelo streaming, o Mitchell a chorar no campo, e depois a falar como um adepto, na sala de imprensa. Não como o jogador, não como o treinador, mas definitivamente, e nesse que foi o seu último grande dia de Marítimo, como um de nós. É isso que ele será para sempre.

Este ano, cada vitória do Belém é, pois, vitória de um dos nossos. Fico a torcer pelo Jamor imensamente. Se ele lá estiver, estará também o Marítimo.

7 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. lololol "se estiver lá o belenenses estará o MARÍTIMO" essa é a piada do ano . flyer dutch só nosso belenenses na segunda uotra vez

    ResponderEliminar
  5. Um artigo fantástico sobre o Mitchell e pelo seu autor desejar o sucesso do holandês, por achar que estando o Belenenses na final estará também um pouco do Marítimo, é já motivo para a insurreição e para colocar em segundo plano o que foi escrito acerca deste grande jogador que todos tivemos o privilégio de ver jogar.
    Se não concordam com o que é escrito que o demonstrem, mas não nesse tom.

    ResponderEliminar
  6. Em primeiro lugar dar os parabéns ao Paulo Pereira pelo texto. É fantástico ler textos escritos por pessoas assim, que parecem que têm o dom da palavra.

    Foi um prazer poder ver este SENHOR (o perfeito exemplo do que é elegância em campo) jogar no meu Marítimo e futuramente, a par do Alex, serão os jogadores de quem falarei aos mais novos. São ídolos, grandes figuras do nosso clube que ficam para a história!

    Futuramente, gostaria de o ver de volta ao CSM e pelas palavras penso que se convidado ele teria todo o gosto em voltar (embora a sua saída não tivesse sido muito pacífica). Seria interessante ver um Mitchell com mais experiência como treinador ao leme do nosso Marítimo.
    Se não se der a oportunidade de o ter como treinador, seria de grande interesse ter esta figura (a mística constrói-se assim) na estrutura do clube. Como Manager, homem forte do futebol, porque não?

    Actualmente, sim, desejo-lhe os maiores sucessos como treinador. Sim, a ele e ao Belenenses. Desejar sucessos a um MARITIMISTA não me faz menos MARITIMISTA por tal!

    ResponderEliminar
  7. Estive nesse jogo em Belém e foi fantástico. Quanto ao jogo com o Guimarães, sofri em casa, em Lisboa e depois fui para o Marquês com o cachecol do Marítimo enquanto os benfiquistas festejavam o título.

    ResponderEliminar