quinta-feira, 7 de junho de 2012

O biclubista

Família biclubista

O biclubista padece de confiança, de lucidez, e de espírito próprio, remando sempre em prol do barco que se encontra melhor posicionado na etapa. O biclubista sofre de incerteza, da falta de objectivos e de convicção moral para comentar o que for, ou até mesmo dar uma opinião no mínimo válida. O biclubista não é mais do que um parasita desportivo que se alimenta do insucesso de um clube em benefício do outro, apoiando sempre, sem hesitar, quem está melhor colocado na tabela classificativa para assim, juntos dos seus amigos e colegas de trabalho, comentar com credibilidade os jogos do fim-de-semana. O biclubista sofre de esquecimento propositado, isto porque sabe perfeitamente eleger os momentos para esquecer quais são as suas verdadeiras origens, para deste modo festejar de igual forma com os amigalhaços do outro lado do oceano algum triunfo. O biclubista não vive nem muito menos sente uma só paixão uma vez que é intelectualmente limitado, o que dificulta pensar por ele próprio, acabando por vergar em torno daquilo que o é apresentado pelos meios de comunicação. O biclubista é oportunista, tenta sempre aproveitar-se da boa-fé dos adeptos que amam o seu segundo clube à espera que estes viabilizem bilhetes para assistir, vestido a rigor, o encontro da sua amada equipa. O biclubista assiste incessantemente todos os programas desportivos da televisão portuguesa, sendo desta forma que resolve sustentar uma opinião clubística, procurando incansavelmente por uma resposta à incerteza que ele contrai cada vez que liga a televisão. O único método devidamente confiável para restaurar a verdadeira moral desportiva, era formatar todos os biclubistas como computadores e instalar um software no cérebro, algo que duvido mesmo que tenham.

O biclubista mais frequente



7 comentários:

  1. Ora aqui está o espelho do irredutivel(Osga e maritimista)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sr. Arlindo, aconselho-o a ler aquilo que depois comenta.
      Ver aqui uma ligação com as "osgas" (coisa que nem existe na Madeira) só demonstra má fé ou alguma tipo de patologia clínica e aí o melhor será consultar o DSM-IV.

      Eliminar
  2. "O único método devidamente confiável para restaurar a verdadeira moral desportiva, era formatar todos os biclubistas como computadores e instalar um software no cérebro, algo que duvido mesmo que tenham." - concordo com o que foi dito, principalmente com esta parte. Bom texto irredutível, que parece que causou má disposição a certas pessoas...

    ResponderEliminar
  3. Texto de um verdadeiro maritimista. Concordo com tudo o que foi escrito!

    MARÍTIMO!

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar